Grandes crimes

Pierre Moreau (org.), Alice Luz, A. C. Mariz de Oliveira, A. Malheiros Filho, C. Lafer, E. Muylaert, Eros Grau, J. A. Tavares Guerreiro, J. P. Cavalcanti Filho, J. R. Nalini, Luiza Eluf e R. A. Dotti


A história de um país é também feita dos crimes cometidos por seus cidadãos e que provocaram forte impacto na opinião pública, quando não nos próprios rumos da nação. Nesse livro, doze importantes advogados e juristas brasileiros recontam alguns dos principais crimes ocorridos no Brasil desde o início do século XX até os dias atuais.

São atentados políticos, como o do Riocentro, ou homicídios de grande repercussão midiática, como o da atriz Daniella Perez. São crimes de racismo, de canibalismo ou de natureza passional, como o assassinato de Ângela Diniz por Doca Street, cujo julgamento mudou para sempre o modo como o direito brasileiro entende a liberdade da mulher.

Os episódios de Grandes crimes são apresentados pelos advogados e juristas em emocionantes narrativas que, sem se desviarem dos fatos, lançam sobre eles um novo olhar, em que a dimensão trágica dos eventos é observada à luz conscienciosa do direito.

Grandes crimes - Capa
  • Organização: Pierre Moreau
  • Capa: Mateus Valadares
  • Páginas: 288
  • Formato: 14 cm x 21 cm
  • Acabamento: brochura
  • Área: direito
  • ISBN: 978-85-68493-39-7
  • Disponibilidade: 03/07/2017

Os autores

  • Pierre Moreau: advogado, é sócio-fundador da Moreau Advogados, sócio-fundador e membro do Conselho Diretor da Casa do Saber/SP e membro do Conselho de Direito do Insper/SP. Mestre e doutor em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), cursou a Harvard Law School e a Harvard Business School. Foi professor visitante na St. Gallen University, na Suíça. É organizador e coautor de As letras da lei (2013) e coorganizador de Fora da curva: os segredos dos grandes investidores do Brasil (2016), entre outros.

  • Alice Luz: advogada e pós-graduada em direito penal econômico. Participou do curso "A Justiça Penal Internacional na Era dos Direitos Humanos", tendo concluído a etapa brasileira e a alemã. É sócia do escritório Serra Oliveira e Ribeiro da Luz Advogados e associada ao Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim), ao Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) e à Academia Brasileira de Constitucionalistas.

  • Antônio Cláudio Mariz De Oliveira: advogado criminalista, foi secretário estadual de Justiça e Segurança Pública e presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção de São Paulo, nos biênios 1987-88 e 1989-90. Também foi presidente da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) e presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP). É autor, entre outros, de Crônicas absolvidas (2013)

  • Arnaldo Malheiros Filho: advogado, professor de direito penal econômico na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, diretor da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) e membro fundador do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), do qual foi presidente do conselho deliberativo. Morreu em 2016, aos 65 anos, em São Paulo.

  • Celso Lafer: advogado e jurista, professor emérito da Faculdade de Direito da USP, foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (1999) e das Relações Exteriores (2001-02), embaixador do Brasil junto à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização Mundial do Comércio (OMC) e presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Ocupa a cadeira 14 da Academia Brasileira de Letras (ABL). É autor, entre outros, de A reconstrução dos direitos humanos (1988), A internacionalização dos direitos humanos: Constituição, racismo e relações internacionais (2005) e Norberto Bobbio: trajetória e obra (2013).

  • Eduardo Muylaert: especialista na área criminal, é advogado e foi secretário estadual da Justiça e da Segurança Pública no governo Franco Montoro (1983-87) e presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) do Ministério da Justiça. Como fotógrafo, publicou, entre outros, O espírito dos lugares (2003) e Boa noite, Pauliceia! (2006). É coautor dos livros de contos As letras da lei (2013), 336 horas (2013) e Ninguém humano (2014), finalista dos prêmios Off-Flip (2014) e Sesc de Contos Machado de Assis (2015). É comentarista do Jornal da Cultura, da TV Cultura.

  • Eros Roberto Grau: professor titular aposentado da Faculdade de Direito da USP, foi ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2004 a 2010. É membro da Academia Paulista de Letras (APL) e autor de inúmeros livros jurídicos editados no Brasil, na França, na Itália e na Espanha. Em literatura, tem publicados, entre outros, Le flâneur de Saint-Germain-des-Près (2015, lançado na França), Teu nome será sempre Alice e outras histórias (2013) e A(s) mulher(es) que eu amo (2016).

  • José Alexandre Tavares Guerreiro: é advogado e professor da Faculdade de Direito da USP. É doutor em direito comercial pela mesma universidade e autor de vários livros e artigos em revistas e em obras coletivas.

  • José Paulo Cavalcanti Filho, advogado no Recife. Consultor da Unesco e do Banco Mundial. Ex-presidente do Cade, da EBN e do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional. Ex-ministro da Justiça. Membro da Comissão Nacional da Verdade e da Academia Pernambucana de Letras (APL). Entre os livros publicados, Fernando Pessoa, uma quase autobiografia, primeiro lugar dos prêmios Bienal do Livro (Brasília), revista AlgoMais (Recife), Jabuti (São Paulo) e Livro do Ano, prêmio José Ermírio de Moraes, da Academia Brasileira de Letras (ABL). O mesmo livro ganhou, em Portugal, o prêmio Dario Castro Alves e, na Itália, o prêmio Il Molinello. Foi traduzido também em Israel, Romênia, Espanha, França, Alemanha e Rússia.

  • José Renato Nalini: desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o qual presidiu entre 2014 e 2015, ocupa desde 2016 o cargo de secretário da Educação do Estado de São Paulo. Foi presidente do Tribunal de Alçada Criminal (Tacrim) e da Academia Paulista de Letras (APL). É autor, entre outros, de Ética geral e profissional (que em 2016 chegou à 13 edição), A rebelião da toga (2015) e Ética ambiental (2014).

  • Luiza Nagib Eluf: advogada criminal e escritora. Foi procuradora de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo e secretária nacional dos Direitos da Cidadania do Ministério da Justiça. É membro da Academia Brasileira de Direito Criminal (ABDCrim) e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Publicou, entre outros, A paixão no banco dos réus (2002), Matar ou morrer: o caso Euclides da Cunha (2009) e Um homem livre e outros contos (2012).

  • René Ariel Dotti: advogado, professor titular de direito penal da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e ex-presidente da Comissão Especial da OAB para análise e sugestões ao projeto de lei nº 156/2009 (Código de Processo Penal). Corredator dos projetos que se converteram nas leis nº 7.209 e 7.210, de 1984 (reforma da Parte Geral do Código Penal e da Lei de Execução Penal). Foi secretário estadual da Cultura do Paraná. É membro da Academia Paranaense de Letras (APL). Publicou, entre outros, Casos criminais célebres (1998) e Curso de direito penal: parte geral (5. ed., 2013).

À venda na Argumento, Cultura, Fnac, Leitura, Livraria da Folha, Livraria da Travessa, Livraria da Vila, Livrarias Curitiba, Martins Fontes, Saraiva e nas principais livrarias do Brasil.